The Waverly Inn

Novembro 19, 2014 in BOOKS & SONGS, GLOBETROTTER, LET'S EAT!

waverly inn logoThe Waverly Inn

Quando se cruza o Atlântico para ir jantar fora, é melhor que o restaurante seja mesmo bom. Conheço alguns em Nova York, mas adorei ir ao The Waverly Inn no bairro trendy de Greenwich Village. Não me foi recomendado particularmente por ninguém mas já numa ou outra situação tinha ouvido falar neste restaurante. Ou seja, estava na lista. E valeu mesmo a pena, uma vez que superou em tudo as minhas expetativas.

O edifício é muito antigo. A estrutura terá mais de 200 anos. Como restaurante funciona já desde 1920. Começou por ser o lugar de eleição da elite intelectual de Manhattan. Durante muito tempo foi palco de tertúlias onde se encontravam poetas, escritores, pintores… figuras importantes da cultura mundial. Em 2006 o espaço foi comprado por Graydon Carter, um influente editor da revista Vanity Fair. Graydon, para além de atrair a elite cultural, puxou também para o local uma saudável massa de celebridades que adoram serem fotografadas à porta do pequeno restaurante, onde muitas vezes os esperam grupos de paparazzi.

Na 6a feira, quando chegámos, percebi logo que a àrea estava calma, mas de fora, nada faz imaginar o ambiente que se vive dentro. Sentimo-nos literalmente entrar num romance de Charles Dickens, num cenário assim meio Vitoriano mas onde, por contraste, os “personagens” vestem Prada ou Gucci e as senhoras passeiam as suas carteiras Valentino e os seus vestidos Lanvin pretos. Acho que quase todas as pessoas naquele restaurante estavam vestidas de preto… só um detalhe. Mas chic… tudo chic a valer! – Como diria Dâmaso Salcede, o gorduroso lambe botas de Os Maias.

O pé direito é baixíssimo como seria de esperar de uma taberna campestre. Um autentico pub inglês de 1800s… com lareiras e tudo. Com apenas 6 bancos de bar, muitas são as pessoas que chegam e ficam em pé enquanto esperam pela sua mesa ao sabor de um belíssimo cocktail. Esta primeira sala tem algumas mesas de refeição mas tivemos a sorte de jantar na sala principal onde a atmosfera é mais calma e com um toque Parisiense. As paredes estão pintadas com murais de Edward Sole, caricaturista e ilustrador, amigo pessoal de Graydon Carter. A ideia foi retratar naquelas paredes exatamente a fauna de artistas e intelectuais que sempre encheram de cultura aquele emblemático espaço. Confesso que se reconheci uma mão cheia foi bastante… Bob Dylan estava mesmo à minha frente e Andy Warhol perto…. Marlon Brando também lá está e Truman Capote… De resto, grande parte são escritores, poetas, politicos… figuras que deixaram o seu DNA na estória da cidade mas não imediatamente reconhecíveis por dois “tugas” cansados…

De resto, tivemos uma refeição deliciosa. Como já tinha ouvido falar no “Mac and Cheese” com trufa, não hesitei muito na hora de escolher o prato principal. A fama precede-o mas confesso que quando percebi o preço (48 horas mais tarde) achei ligeiramente despropositado… não deixa de ser uma “pratada de massa com natas e queijo gratinado” ao preço da melhor lagosta, mas pronto… estávamos no The Waverly Inn, a jantar no centro do mundo, numa 6a feira à noite, depois de uma semaninha de cão e praticamente diretos de um voo de 8 horas. Merecíamos qualquer coisa!

Existe um livro publicado com fotos e a descrição de cada personagem dos murais do restaurante, chama-se  The Mural at the Waverly Inn.  Não deixem de dar uma espreitadela! Deve ter muito mais graça chegar e saber quem é quem, do que andar ali a divagar como nos aconteceu a nós… “Mas quem são estes caramelos todos?!”

The murals at the Waverly Inn

 

Se lá quiserem ir, na vossa próxima visita à cidade, não se esqueçam de reservar [AQUI].

Diz que” está sempre à pinha…

The Waverly Inn  fica em 16 Bank St, New York, NY 10014.

beijinhos

 

In English

When you cross the Atlantic to go out to dinner, you better pic a really good restaurant. I know quite a few in New York city, but I loved going to The Waverly Inn in the trendy neighborhood of Greenwich Village. It wasn’t recommended by anyone in particular but for some reason I had heard about it and it was on my list. And it was worth the trying , as it exceeded all my expectations.

The building is very old. The structure has probably more than 200 years. It became a restaurant in 1920. It started as the place of choice for Manhattan’s intellectual elite. It has long been host to gatherings of poets, writers, painters … In 2006 the space was bought by Graydon Carter, an influential editor of Vanity Fair. Graydon, besides attracting the cultural elite, also pulled a healthy local mass of celebrities who love being photographed by the door of the small restaurant where often are expect by groups of paparazzi.

Last Friday, when we arrived, I soon realized that the area was calm, but from the outside, no one guesses the kind os atmosphere that’s inside. We literally feel as if we are entering a novel by Charles Dickens, where, by contrast, the “characters” wear Prada or Gucci and the ladies carry their Valentino purses and their Lanvin black dresses. I think almost everyone in that restaurant were dressed in black … just a small detail. But all very chic!

The rooms are very low as you would expect from a very old country inn. An authentic 1800s English Pub… with its fireplaces and all. With only six bar stools, there are many people who come and get to be standing while they wait for their table with a wonderful cocktail in hands. This first room has a few dinning tables but we were lucky to seat in the main dining room where the atmosphere is calmer, with a Parisian twist. The walls are painted with murals by Edward Sole, caricaturist and illustrator, personal friend of Graydon Carter. The idea was to portray in those walls exactly the fauna of artists and intellectuals who always filled with culture that emblematic space. I confess that if I recognized a handful was a lot … Bob Dylan was right in front of me and Andy Warhol close …. Marlon Brando was also there and Truman Capote … Moreover, most are writers, poets, politicians. .. figures who left their DNA in the story of the city but not immediately recognizable by a tiered portugues couple…

Moreover, we had a delicious meal. As I had already heard about the “Mac and Cheese” with truffle I did not hesitate much when choosing the main course. The reputation precedes it but I confess that when I was informed about the price (48 hours later) I found it slightly outrageous …after all it’s just a “Full plate of gratin pasta and cheese” at the price of the best lobster, but anyways … we were at the Waverly Inn, dinning in the center of the world, at a Friday night, after an awful week and almost directly from an 8 hour’s flight. We deserved all we wanted!

There is a book published with photos and descriptions of each character in the murals of the restaurant, called The Mural at the Waverly Inn. Do not forget to take a peek! Must be more fun to get to know who is who before walking there than to keep wandering who everyone was like we did…