My scrapbook from our trip to Pipa

Agosto 13, 2014 in GLOBETROTTER

Pipa 2014

Há muitos anos fui a Pipa. Deve ter sido a primeira viajem que fiz com o Rui depois de começarmos a namorar, já lá vão 15 maravilhosos anos. Tínhamos ouvido falar naquele paraíso perdido no litoral do nordeste brasileiro e lá fomos à aventura. Naquela altura a grande amiga de uma amiga minha tinha ido para lá viver depois de uma viajem turística. Apaixonou-se pelo lugar e por um belíssimo Argentino com quem acabaria por casar. Voltou a Portugal para fechar assuntos, despedir-se de uma vida profissional num conhecido escritório de advogados de Lisboa e voltou para o lugar onde assentaria arraiais até hoje. Pipa ainda não era o destino turístico que se tornou na primeira década dos anos 2000. Era uma aldeia hippie com praias de sonho, uma delas era deserta e chamava-se Madeiro e era aí que almoçávamos à sombra de um coqueiro o que um pescador nos trazia… Uns dias peixe, outros carabineiros… Dormíamos na rede, passeávamos na praia deserta e nadávamos naquele mar quente, onde, às vezes, víamos golfinhos.

Pipa

Depois ouvi dizer que Pipa tinha mudado, crescido… que se tinha multiplicado. Foi, durante alguns anos o destino turístico de eleição de muitos portugueses, brasileiros e argentinos. Nunca mais lá tinha voltado, com medo de ter uma grande desilusão.

Os amigos com quem lá tínhamos estado há 15 anos, voltaram no ano passado e adoraram. Tiveram umas deliciosas férias em família e, assim, ao ouvir o relato de dias de sonho eu voltei a ter vontade de voltar. E assim foi… este ano apanhei uma boleia do Comandante para Natal e depois seguimos os 3 (eu e as minhas duas migalhas) para Pipa onde nos fomos encontrar com a família Monjardino.

Foi maravilhoso constatar que Pipa cresceu bem. Está em quase tudo igual àquela aldeia que conheci à 15 anos. Continua a existir uma rua principal com restaurantes e comercio… só tem mais uns “pares de metros” com bastante mais restaurantes e uma infinidade de lojinhas. Existem mais pousadas e hotéis. Na verdade a oferta é extensa. Mas,  um dos lugares mais bonitos e exclusivos para se ficar continua a ser a Toca da CorujaContinua a comer-se uma deliciosa picanha na Churrascaria Rancho da Pipa (um dia propriedade da nossa amiga Sandra) e agora, o final da noite, é na Book Shop – uma queridíssima biblioteca onde a Sandra (hoje mãe de 3 filhos) dá largas aos seus instintos filantrópicos, culturais e ecológicos. Na Book Shop, pode escolher um livro para ler em férias, dar dois dedos de conversa, beber um Nespresso e conhecer a proprietária que faz questão de estar lá presencialmente de 4a a sábado para falar com os seus visitantes. Uma Portuguesa que um dia trocou a rotina da advocacia numa grande cidade pela aventura e liberdade de construir uma família na descontração de um paraíso ecologico.

Pipa

Foram dias de puro prazer. Entre livrinhos da Mônica, jogos de Uno, aulas de surf com a Eli, saltos na areia, pratadas de açai com banana, sol e sombra, mergulhos, leitura e muita conversa em dia. Adorei esta nossa curta viajem e fiquei cheia de vontade de voltar… Só tive muita pena que o Rui não tenha lá estado.

Adeus Pipa! Talvez nos voltemos a ver para o ano!

BEIJINHOS,

MARIA

 

Hoje é dia de festa…

Agosto 2, 2014 in FAMILY BUSINESS

clarinha

Hoje, a minha boneca faz 10 anos. Por isso o meu coração está em festa! – Faz hoje 10 anos que fui para a maternidade sem saber que, no mesmo dia, me ia apaixonar absoluta e irremediavelmente e que a minha vida iria mudar, mais uma vez, para sempre. Imagino que cada filho mude a nossa vida para sempre… só tive dois, mas foram duas grandes reviravoltas!

Quando engravidei da Clarinha às vezes sentia uma angustia…  não conseguia imaginar vir a gostar tanto daquele bebe com a mesma intensidade com que adorava Salvador. Para combater as dúvidas, repetia na minha cabeça alguns “clichés”, daqueles que nos vão sendo passados pelas mulheres experientes das nossas vidas… O amor não se divide, multiplica-se. As mães gostam de todos os seus filhos de maneira igual. O amor de mãe é incondicional… Seria mesmo assim, ou as minhas dúvidas poderiam ter algum fundamento?… Ficava, às vezes, perdida nos meus pensamentos enquanto observava o Salvador a dormir – “Como é que isto vai ser possível? Só eu é que sei o que sinto por este boneco… Este amor não se vai repetir… ” Era quase uma certeza da improbabilidade da tal multiplicação.

Depois um dia, mais precisamente, no dia 2 de Agosto de 2004, a Clarinha chegou. E o universo uniu-se para me provar mais uma das magias da vida. O amor que senti pela Clara foi mais imediato do que qualquer outro amor. Foi em tudo diferente. Foi uma coisa que eu nunca tinha sentido na vida… um amor à primeira vista! Absoluto e avassalador. Parece que foi uma lição que a vida me quis dar… Tiveste dúvidas?! Ora aqui tens! – Aquele momento acabaria por definir a nossa relação até hoje. A vida não só limpou todas as minhas angustias e inseguranças em relação à minha segunda maternidade como me deu uma relação, que até hoje e passados 10 anos, tem sido de pura Felicidade!

Hoje, sei que se tivesse outro filho, o problema do amor não se colocaria. Mas tenho quase a certeza que seria um amor diferente! O amor de mãe, multiplica-se efetivamente, mas não da mesma maneira. Os filhos são diferentes, a química é diferente… e não há dois amores iguais!

Parabéns boneca linda do meu coração! Obrigada por seres uma peça tão decisiva e importante na felicidade da nossa família.

Hoje o meu beijinho muito especial vai para estes dois absolutos e incondicionais amores da minha vida. A Clara e o seu pai. O meu Príncipe que também faz anos hoje anos e que, há 10 anos,  a recebeu nos braços como o melhor presente de aniversário que algum dia sonhou ter! [AQUI] Parabéns!

MARIA

 

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: