My favourite love songs #2

Maio 5, 2014 in BOOKS & SONGS

Alterei o titulo destes posts musicais. Era “My Favorite Songs” e passou a ser “My Favorite Love Songs”. Assim vou primeiro esgotar as canções de amor que mais gosto e depois sim, passamos às outras. E por falar em canções de amor… um nome que me vem logo à cabeça é, claro, o eterno romântico Julio Iglesias, que continua, ao fim de tantos anos, a esgotar concertos onde quer que esteja e a fazer bater muitos corações apaixonados. E de todas as musicas dele, esta é sem duvida a minha preferida! Daquelas que até faz chorar as pedras da calçada se for o caso… uma grande canção de amor portanto!

Como devem ter percebido não tenho um grão de “snobismo musical”… Qualquer música que me chegue ao coração é de valor! Estou-me bem nas tintas se tem rotulo de musica bimba ou pimba. Estou muito em paz com esta minha tendência para gostar daquilo que alguns acham parolo ou desconsideram. Imaginem que no ano passado até fui com uma amiga ao pic-nic do Continente para ouvir o concerto do Tony Carreira por isso… para mim, assumir que gosto de Julio Iglesias é para meninos! – Já tive o prazer de assistir a um concerto deste senhor no Pavilhão Atlântico mas confesso que continuo a preferir ouvi-lo no sossego da minha casa. Coisa de rapariga romântica portanto….

Quando o Salvador era pequenino um dia estava a chorar e parou subitamente quando começou a ouvir esta música. Não tive a certeza se foi coincidência por isso voltei a pôr a música a tocar noutra situação e percebi que, genuinamente, parecia gostar de a ouvir e que o acalmava. Passei a pô-la a tocar todas as noites para ele adormecer e funcionava sempre. Quando começou a falar já sabia pedir o “bibi”… “canta o bibi mãe”… Que maravilha! – Realmente quem sai aos seus… a genética foi generosa comigo. O meu filho mais velho também tinha nascido sem preconceitos musicais! – Eventualmente criou-os e hoje em dia já não “papa estes grupos” como qualquer pré-adolescente que se preze … mas a verdade é que não há vez que esteja doente que não me peça para lhe cantar ou pôr a tocar o “Bibi”. Uns têm “confort foods” outros têm “confort songs” e, não há duvida, que esta, é uma das “confort songs” cá de casa.

Me Olvidé de Vivir

De tanto correr por la vida sin freno
Me olvidé que la vida se vive un momento
De tanto querer ser en todo el primero
Me olvidé de vivir los detalles pequeños.

De tanto jugar con los sentimientos
Viviendo de aplausos envueltos en sueños
De tanto gritar mis canciones al viento
Ya no soy como ayer, ya no se lo que siento

Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir

De tanto cantarle al amor y la vida
Me quede sin amor una noche de un día
De tanto jugar con quien yo más quería
Perdí sin querer lo mejor que tenía.

De tanto ocultar la verdad con mentiras
Me engañé sin saber que era yo quien perdía
De tanto esperar, yo que nunca ofrecía
Hoy me toca llorar, yo que siempre reía.

Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir

De tanto correr por ganar tiempo al tiempo
Queriendo robarle a mis noches el sueño
De tanto fracasos, de tantos intentos
Por querer descubrir cada día algo nuevo.

De tanto jugar con los sentimientos
Viviendo de aplausos envueltos en sueños
De tanto gritar mis canciones al viento
Ya no soy como ayer, ya no se lo que siento.

Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir
Me olvidé de vivir

E vocês e os vossos filhos? Também têm “confort songs”? Contem-me!!

BEIJINHOS E BOA 2ª FEIRA PARA TODOS!

MARIA