Ser mãe é aprender a pilotar avião em pleno voo!

Maio 17, 2017 in FAMILY BUSINESS

Mãe

Já não escrevia aqui há tanto tempo. E porque nestes meses fui recebendo  muitas mensagens vossas a questionar este meu afastamento do blog, não queria deixar de vos dar uma satisfação. Não tenho escrito não exatamente por falta de tempo ou assunto mas porque pessoalmente deixei de seguir todo e qualquer blog. Vou buscar ao Instagram a informação que antes ia procurar em blogs e o meu interesse simplesmente esmoreceu. Será que fui a única pessoa a quem isto aconteceu??? Quando a nossa percepção sobre a realidade muda desta forma torna-se quase uma imposição fazermos o que não nos parece natural. Mas haverá sempre textos que são longos de mais para o Instagram ou mensagens que queremos que fiquem registadas com uma dignidade diferente. Ligeiramente menos descartável…

No outro dia, e a propósito do Dia da Mãe, uma amiga postou no Instagram (lá está…) um texto belíssimo escrito em Português do Brasil por Cris Guerra, a autora do blog Palavras para Vestir [aqui] .

Gostei tanto que vou deixa-lo aqui para quem o quiser ler. Está tudo contido nestas linhas escritas com piadas e trocadilhos informais…Haverá frase mais esclarecedora sobre maternidade que – “Mãe aprende a pilotar o avião em pleno voo” ?! Este texto é uma delicia e eu tinha de o partilhar. Espero que gostem!

Cris Guerra

“Dizem: quando nasce um bebê, nasce uma mãe também. E um polvo. Um restaurante delivery. Uma máquina de chocolate prontinho. Uma mecânica de carrinhos de controle remoto. Uma médica de bonecas. Uma professora-terapeuta-cozinheira de carreira medíocre. Nasce uma fábrica de cafuné, um chafariz de soro fisiológico, um robô que desperta ao som de choro. E principalmente: nasce a fada do beijo.

Quando nasce um bebê, nasce também o medo da morte – mães não se conformam em deixar o mundo sem encaminhar devidamente um filho.
Não pense você que ao se tornar mãe uma mulher abandona todas as mulheres que já foi um dia. Bobagem. Ganha mais mulheres em si mesma. Com seus desejos aumentam sua audácia, sua garra, seus poderes. Se já era impossível, cuidado: ela vira muitas. Também não me venha imaginar mães como seres delicados e frágeis. Mães são fogo, ninguém segura. Se antes eram incapazes de matar um mosquito, adquirem uma fúria inédita. Montam guarda ao lado de suas crias, capazes de matar tudo o que zumbir perto delas: pernilongos, lagartas, leões, gente.
Mães não têm tempo para o ensaio: estreiam a peça no susto. Aprendem a pilotar o avião em pleno voo. E dão o exemplo, mesmo que nunca tenham sido exemplo. Cobrem seus filhos com o cobertor que lhes falta. E, não raro, depois de fazerem o impossível, acreditam que poderiam ter feito melhor. Nunca estarão prontas para a tarefa gigantesca que é criar um filho – alguém está?
Mente quem diz que mãe sente menos dor – pelo contrário! Ela apenas aprende a deixar sua dor para outra hora. Atira o seu choro no chão para ir acalentar o do filho. Nas horas vagas, dorme. Abastece a casa. Trabalha. Encontra os amigos. Lê – ou adormece com um livro no rosto. E, quando tem tempo pra chorar – cadê? -, passou. A mãe então aproveita que a casa está calma e vai recolher os brinquedos da sala. “Como esse menino cresceu”, ela pensa, a caminho do quarto do filho. Termina o dia exausta, sentada no chão da sala, acompanhada de um sorriso besta.
Já os filhos, ah… Filhos fazem a mãe voltar os olhos para coisas que não importavam antes. O índice de umidade do ar. Os ingredientes do suco de caixinha. O nível de sódio do macarrão sem glúten. Onde fica a Guiné-Bissau. Os rumos da agricultura orgânica. As alternativas contra o aquecimento global. Política. E até sua própria saúde. Mães são mulheres ressuscitadas. Filhos as rejuvenescem, tornando a vida delas mais perigosa – e mais urgente.
Quando nasce um bebê, nasce uma empreiteira. Capaz de cavar a estrada quando não há caminho, só para poder indicar: “É por ali, filho, naquela direção”.

beijinhos

Uma História sobre o Dia da Mãe

Maio 3, 2016 in FAMILY BUSINESS, MY HAPPY SELF

Dia da Mãe 2016

No ano passado, o dia da mãe passou-me ao largo da costa. Percebi que aconteceu, mas não chegou aqui à minha praia… se me entendem…

Acordei e não tive um pequeno almoço, nem um presente, nem um cartão… nada. O meu querido pai lembrou-se de me de enviar uma mensagem pela manhã… como faz sempre. Mas, amigas, vocês sabem do que vos falo… uma mensagem do nosso “querido pai”, só por si, não nos puxa a carroça até à meta…. Não é fácil passar o dia a ser bombardeada com fotografias de mães felizes com ramos de flores, panquecas à la carte e dedicatórias de fazer chorar as pedras da calçada… e nós… nada.

Acontece que eu sou otimista por natureza e acredito sempre que o universo se reúne em conspirações permanentes e acho que no fim os desfechos são sempre os esperados. Lembro-me que depois do primeiro embate da “aparente ignorância” relativa ao calendário, as horas iam passando e eu apenas ia pensando… “estes malandros andam a preparar uma boa!”. Mas o sol subiu, percorreu o céu, pôs-se e não se passou nada…. quando chegou a hora de jantar a indiferença persistia … lá percebi que tinha chegado à meta, mas não havia foguetes. Tinha acabado a minha jornada de espera. Era mesmo só aquilo… sem artifícios nem surpresas dissimuladas… O Rui não estava em Portugal e as duas crianças (um com 13 e a outra com 10) sem serem orquestrados não chegaram às minhas caladas e esperançosas expectativas. Fiquei muito triste. Não que ache que sou menos amada por não ter tido direito a banda e purpurinas. Eu sei que o amor existe, mas uma mãe gosta que chegue aquele Um dia por ano, e haja festa e foguetes. After all… ser Mãe é o nosso principal projeto, aquele em que mais nos empenhamos e de que mais orgulho tempos. O reconhecimento, a festa, a dedicação…. fazem falta e deviam fazer parte da legislação. São o reconhecimento e a “medalha” (mais que) merecida por um ano de dedicação abnegada, de horas sem dormir, de mil boleias, de tantas lições de vida, de alguns sermões, de exemplos conseguidos, de colo, de mimos, de festas, de idas ao médico, de estudo acompanhado… de tudo.

Pronto amigas, mas esta não é uma história triste. Foi só a introdução para o que vem a seguir. O meu dia da mãe, este ano, aquele que aconteceu no domingo… foi o melhor de sempre!

Este ano, eu poderia ter feito duas coisas…

Hipótese 1 – Ficar quietinha no meu canto e esperar pelo melhor. Afinal, nada tinha ficado por dizer. Há um ano atrás os meus filhos não ficaram com uma dúvida de como eu tinha ficado triste. Lá nisso sou boa. Não fico calada nem mando recados…

Hipótese 2 – Planeava a festa, comprava os foguetes, armava o fogo e apanhava as canas.

Escolhi a segunda. Acho que me calhou bem!

Com uma semana de antecedência comecei a gritar aos sete ventos que o dia da mãe estava achegar. Organizei um almoço com todas as mulheres da família… mãe, irmã, avó, sogra… Fui à praça, carreguei a casa de flores. Muitas velas, muita luz, muita alegria. O caril veio de encomenda e as sobremesas também, por isso ainda tive tempo para ir jogar Padel nessa manhã. Fiz uma sangria maravilhosa e brindámos todas com alegria. Tantas mães. Brindámos também a todas as mães ausentes incluindo as nossas avós. Com um brinde especial à avó materna que é uma figura muito proeminente nas nossas conversas e no nosso imaginário. Não tenho uma única fotografia com essa minha avó. Privei tão pouco com ela… Morreu quando eu tinha 9 anos. E mesmo assim, continua a ser (a seguir à minha mãe como é óbvio) umas das mais importantes figuras femininas da minha vida.

A Bu fez-me um cartão lindo como só ela sabe fazer… carregado de palavras que me enternecem o coração. E o meu Salva, ineditamente, saiu de casa de bicicleta e foi sozinho ( e com o seu dinheiro) comprar-me uma flor. Mas mesmo que não tivesse tido direito a presente teria sido um dia feliz na mesma.

Porquê? – Porque eu preparei o meu dia feliz… Não esperei que ninguém o fizesse por mim. Sermos mimadas é bom, mas sabermos mimar-nos é talvez ainda melhor. É bom que nos deem valor, mas se nós não dermos valor a tudo o que fazemos, sabendo que o fazemos com o máximo amor e dedicação, então está tudo errado.

Por isso, se houver por ai mães que tenham tido um dia da mãe com menos atenção e carinho… já sabem… Não fiquem tristes. Comecem já a preparar a festa do próximo ano!

beijinhos

IMG_4569

[A minha Flor oferecida pelo Salvador ]

Addicted to Geleia de Marmelo!

Janeiro 22, 2015 in FAMILY BUSINESS, LET'S EAT!

Geleia de Marmelo

Gosto de quase todas as compotas, doces, geleias e marmeladas caseiras mas Geleia de Marmelo (da tia Pepa) está, no topo da lista (empatada com Doce de Tomate). Tenho a sorte de ter uma sogra que é uma eximia cozinheira, doceira, marmeleira e essas coisas todas. Mais sorte ainda porque é generosa e não há um dia que venha cá a casa que não traga uma taça de marmelada, um pão-de-ló ou uma garrafa de ginjinha caseira… dependendo da época do ano. Também pode trazer uma panelada de qualquer coisa carregada de feijões, favas e toucinho que faz qualquer um salivar ao cheiro… depende para onde acorda virada! – Nós agradecemos.

E agora, nestes meses de inverno, em que ainda tenho stock de geleia, o meu pequeno almoço é, quase invariavelmente, composto por um copo de sumo de laranja natural ou uma peça de fruta, um café e duas torradas com manteria, muita geleia (de marmelo) e queijo flamengo. Há hábitos que nunca mudam e este já vem de muito, muito longe. Alguém por ai com o mesmo vício??

beijinhos

P.S. – Obrigada Tia Pépa… Por ser quem e como é. Por pensar sempre nos outros antes de pensar em si. Por espalhar todas as suas artes pelas casas por onde passa. Por ser uma força da natureza e um exemplo a seguir. O seu carinho não passa despercebido!

A Lei (básica) da Selva

Janeiro 20, 2015 in FAMILY BUSINESS

jogo do galo

Dia 25 de Dezembro de 2014. O nosso dia de Natal no Rio. 35ºC na praia do Pêpe. Eu e a Clarinha encolhidas debaixo de uma sombra piedosa… jogávamos ao Galo.

Ao longo dos anos já passámos algumas fases no Jogo do Galo …

1 – eu fingia que não percebia nada daquilo e a Bu ganhava e ganhava e ganhava.

2 – eu comecei a perceber que já não era preciso fingir para a Bu ganhar.

3 – eu passei a ter alguma dificuldade em ganhar , facto que me irritava ligeiramente…

Naquele dia, passei para a fase…

4 – Esquece lá isso, que hoje quem limpa isto sou eu!

Ao fim de 7 jogos consecutivos a perder, a Bu…

– Mãe, e que tal perder um joguinho para a sua filha ganhar??

– Jogo é jogo Bu!

– Mãe… até os animais sabem que devem encorajar as suas crias. É uma lei básica da selva…

– Como assim?

– Quando os leões bebés mordiscam os pais, eles fingem que se magoam para instigar as crias a atacar para se conseguirem defender de possíveis agressores, estimulando assim a sua auto-estima. Básico mãe!

E assim acabou a nossa sessão de Galo… comigo a constatar que estou a criar uma “chica-esperta”! Nada mal…

Jogo do Galo

Uma lição sobre Felicidade

Janeiro 5, 2015 in FAMILY BUSINESS

Happiness

Adoro esta citação de John Lennon. Quem leu a minha Casa Feliz sabe que fiz questão que começasse assim… Acho que resume o conceito de felicidade de uma forma extraordinária. A imagem ingénua e pura de uma criança para quem felicidade é ainda um projeto de vida… E a evidencia que a vida nos faz, por vezes, esquecer 0 principio básico de uma vida feliz.

Isto para vos contar que nestas nossas mini-férias no Rio de Janeiro um dia eu e a Clarinha fomos a uma feirinha. Eram 10 da manhã e os termômetros deviam já marcar mais de 30ºC. A Clarinha queria muito comprar uma canga e uma fita do Bonfim. Dois desejos fáceis de satisfazer numa feira hippie no Brasil. Assunto tratado, rumámos à praia que o calor apertava e eu estava mais virada para banhos de sol e mar que para cangalhada hippie e artesanato local.

A senhora que vendeu a fitinha fez questão de explicar o procedimento dos desejos. Nunca é demais reforçar que são 3 desejos, um por cada nó. E que a fita deverá permanecer no pulso, intocada, até que a vida e o desgaste a quebrem.

Ao final do dia, quando fomos colocar a fita confesso que estava curiosa para ouvir os 3 desejos da Bu…

1- Ser Feliz… Achei querido

2- Ser Feliz… Achei assim meio repetição mas pronto… não disse nada

3- Ser Feliz… A sério Bu? Então não me tinhas dito que gostavas de voltar à Disney World? Não te lembras de mais nada?

– Mãe… ser feliz engloba tudo! Sei que se for feliz, vou fazer o que quero, ter o que quero, vou estar bem, vocês vão estar bem… todas essas coisas boas e importantes da vida fazem parte da minha felicidade!

Obrigada minha boneca, por mais esta lição de vida. Porque nós adultos… às vezes até achamos que sabemos algumas coisas, até temos algumas teorias mas também as esquecemos à menor distração. Por isso obrigada por me apontares mais uma vez a tua luz na direção certa! Na meia noite da passagem de ano, foram estas tuas palavras que ecoaram na minha cabeça… Ser Feliz, Ser Feliz, Ser Feliz….

beijinhos

Um casamento de sonho

Outubro 15, 2014 in FAMILY BUSINESS, IN THE PRESS

Foto de familia Casamento Ricardo e Susana

Na altura em que publiquei alguns INSTA-MOMENTS sobre o casamento da Susana e do Ricardo [AQUI], houve algumas leitoras que me pediram para partilhar a decoração das mesas… Na altura pensei que talvez não o devesse fazer por ter sido uma cerimonia muito privada mas entretanto os noivos surpreenderam-nos com a partilha da festa na revista Caras (uma reportagem linda por sinal… de onde herdei esta foto de família que amei) – Assim sendo achei que podia (e devia) partilhar convosco estas imagens de sonho. De um jantar de amigos, preparado bem à portuguesa, onde foi servida uma sopa de abóbora (servida em taças Bordalo Pinheiro) seguida de, imaginem, cozido à Portuguesa. O prato preferido do meu irmão… Insólito mas muito saboroso!

A mesa que tinha sido planeada para estar “Al Fresco” num jardim de sonho, acabou confinada a uma pequena sala (como podem ver nas fotos) porque choveu o dia todo, sem misericórdia…

A organização do evento esteve a cargo do nosso amigo de longa data Carlos Pissarra que tem sido responsável por muitas festas memoráveis… Mas para mim, esta foi especial!

Casamento Ricardo & Susana

Casamento Ricardo & Susana

Casamento Ricardo & Susana

Casamento Ricardo & Susana

Casamento Ricardo & Susana

Casamento Ricardo & Susana

Casamento Ricardo & Susana

Para verem mais festas e jantares organizados pela CP, sigam o link. Tenho a certeza que vão gostar!

Carlos Pissarra

A prova que, verdadeiramente,  adorei a foto do fotografo Alfredo Rocha… já está emoldurada na nossa sala como podem constatar pela polaroid! – Obrigada revista Caras! Nota 10!

Foto de familia beijinhos

#tbt – First day of school back in 2007

Setembro 18, 2014 in #TBT, FAMILY BUSINESS

#tbt First day of school

Não há como chegar a esta altura do ano sem nos recordarmos de todos os Regressos às Aulas da nossa vida. Um novo ano escolar vem sempre com cheiro a borrachas brancas da Rotring com os cantos por estrear. Lápis de carvão Staedtler bem longos e esguios sem pontas roídas nem minas partidas. Canetas bic com tampa, com o cano translúcido e a escrever bem. Lata de lápis Caran d’Ache com as suas 40 cores dispostas em degradé. Estojo das 36 canetas de feltro Carioca. ( quando as tive percebi que não pintavam tão bem como as Molin mas o estojo transparente rígido com a tampa de encaixar compensava a qualidade inferior das canetas)…. mochilas sem migalhas no fundo, estojos sem aparas de lapís e “serradura” de borracha, livros sem páginas amassadas nem textos sublinhados. Quando o ano começa… esta tudo limpo e impecável. É uma tela em branco. A primeira página de um novo livro.

A verdade é que eu sempre adorei o regresso às aulas e ainda hoje acho graça a todo o processo. Sim, porque apesar de não passar lá o dia sentada na carteira, eu também entro num Novo Ano Letivo! Todas as mães entram, certo?! Basta ter mais do que um filho com horários ligeiramente diferentes e atividades extra curriculares, mais uma explicaçãosinha aqui ou ali… e os nossos carros transformam-se numa carrinha da escola e nós, para começar, passamos a condutores a tempo inteiro. Pelo meio, ainda somos explicadores multi facetados, psicólogos, fornecedores de inúmeros tipos de materiais desde têxtil a material escolar e pelo meio ainda somos mesmo pai e mãe, que é o que é suposto. Multitask ao melhor nível.

E mesmo assim, com todas as contingências, eu gramo mesmo o começo de um novo ano letivo! E olhem que adoro o verão, vivo para ter férias e não sou hiperativa… mas gosto de começos, pronto, o que vos posso dizer?! Acho que devo gostar de Setembro pelo mesmo motivo que gosto de 2as feiras. Não me importo de recomeçar! Gosto de páginas em branco, gosto de projetos novos e de desafios. No fim, também gosto muito de descansar mas não tenho muita paciência para a lamechice generalizada do horror às 2as feiras e de ouvir miúdos a dizer que preferiam que o verão nunca acabasse… Come one!… Para o ano há mais!!!

Como grande entusiasta do Regresso às aulas, tiro sempre fotos aos bonecos cá de casa, no primeiro dia de aulas, como devem imaginar. Nem sei como o Salvador ainda vai tendo paciência para a pose, mas eu lá vou conseguindo. Pronto… este ano contive-me e não os segui até à sala de aula, tipo stalker… limitei-me a tirar a foto à porta de casa, que tem sido um clássico.

Este #tbt é de 2007. O Salvador com 5 anos a entrar para o primeiro ano e a Clarinha com 3 anos. Nenhum deles está particularmente bem, mas por estarem semi-abraçados, acho a foto querida demais. Coisas de mãe…

Queria desejar a todos, pais e filhos, um ótimo ano letivo! A vida sem estes “começos” não teria metade da graça. É muito importante irmos criando metas e objetivos. E mais importante ainda, trabalharmos para alcançarmos os nossos sonhos! É isso que a escola nos ensina!  Bora lá aproveitar!

BEIJINHOS,

MARIA

 

Family Wedding – Magical Sintra

Setembro 8, 2014 in FAMILY BUSINESS, FASHIONABLE

Nude dress Pinko

Dress PINKO/pumps PRADA/earrings H.STERN

E pronto, já fui e a já voltei de uma curta mas, sempre, maravilhosa viajem de trabalho, a Paris, onde visitei a Maison et Object, feira de decoração que adoro! – Volto sempre cheia de ideias e muita inspiração, o que é maravilhoso, nesta altura do ano, em que parece que tudo recomeça! Por isso adoro Setembro! O mês dos recomeços… Acho que me ficou para sempre do tempo de escola… Para mim o ano começa agora! – E por falar em escola, cá em casa já está tudo a postos… livros comprados, etiquetados, cadernos forrados… mochilas e lápis prontos a estrear! Quando é que eu vou deixar de gostar de borrachas e cadernos a cheirar a novo??!! I guess some things never change!

Bom, mas hoje queria só partilhar convosco estes INSTAMOMENTS que marcaram um dia importante e muito divertido. O dia em que o meu irmão Ricardo se casou com a sua namorada de 3 anos, a nossa, agora, cunhada Susana. A cerimonia, o jantar e a festa tiveram lugar numa quinta idílica em Colares. Realmente temos um país cheio de recantos encantados e este era, sem duvida, um deles. As cores e a vegetação de Sintra são um sonho… formam o cenário perfeito para uma festa mágica.

Casamento Susana & Ricardo

Bom, mas vamos ao que interessa. Kits! – Levei um vestido que já vivia no meu armário à um par de anos mas que ainda tem um corte super atual e uma cor que, não só adoro, como é perfeita e muito versátil para ir a um casamento. Principalmente neste caso especifico em que os noivos começaram por enviar um convite sem nenhuma informação relevante que nos ajudasse a pensar o que vestir. Sabíamos a data e nada mais. Não sabíamos se ia ser um casamento na igreja ou se seria uma cerimonia civil, não sabíamos se era de tarde ou de noite. Se era em Sintra ou Cascais… Essa informação chegou já muito em cima da hora e com as coleções a mudarem para inverno no final de Julho, isto podia já não ter corrido muito bem.

Nestes casos é providencial ter um LND (Little nude dress) no armário. Sabem que eu nem sou a rapariga que segue protocolos mas por qualquer razão acho que preto e branco são realmente duas cores que não ficam tão bem em casamentos. Os padrões estampados podem ser lindos mas têm o problema de marcar muito e depois de os usarmos uma vez lá ficam eles, anos, à espera de voltar a ver a luz do dia.

Um vestido nude tem a flexibilidade de um LBD sem a austeridade do preto. É super versátil, não marca, não chama demasiado a atenção, é chic, é camaleonico no sentido que, por ser tão neutro, acabam por ser os acessórios a dar a nota final. – E se querem o meu conselho… muito melhor do que sair em busca do LND depois de ter o convite do lado de cá,  é ter um no armário pronto a sair em qualquer ocasião. Nem sabem o trabalho que nos poupa!!

Casamento Susana & Ricardo

Foi um dia perfeito onde o único percalço foi, mesmo e só, o do tempo que resolveu brindar os noivos com, o que esperamos ter sido, uma benção do Universo. Uma “boda molhada” é suposto ser “abençoada”  e como ficámos a saber no brinde do cunhado João, também “traz  filharada”. Será?!

Os noivos, para além de lindos, estavam felizes e assim foi a festa! Será sempre assim recordada… Obrigada!

BEIJINHOS E BOA SEMANA!

MARIA

 

 

 

Hoje é dia de festa…

Agosto 2, 2014 in FAMILY BUSINESS

clarinha

Hoje, a minha boneca faz 10 anos. Por isso o meu coração está em festa! – Faz hoje 10 anos que fui para a maternidade sem saber que, no mesmo dia, me ia apaixonar absoluta e irremediavelmente e que a minha vida iria mudar, mais uma vez, para sempre. Imagino que cada filho mude a nossa vida para sempre… só tive dois, mas foram duas grandes reviravoltas!

Quando engravidei da Clarinha às vezes sentia uma angustia…  não conseguia imaginar vir a gostar tanto daquele bebe com a mesma intensidade com que adorava Salvador. Para combater as dúvidas, repetia na minha cabeça alguns “clichés”, daqueles que nos vão sendo passados pelas mulheres experientes das nossas vidas… O amor não se divide, multiplica-se. As mães gostam de todos os seus filhos de maneira igual. O amor de mãe é incondicional… Seria mesmo assim, ou as minhas dúvidas poderiam ter algum fundamento?… Ficava, às vezes, perdida nos meus pensamentos enquanto observava o Salvador a dormir – “Como é que isto vai ser possível? Só eu é que sei o que sinto por este boneco… Este amor não se vai repetir… ” Era quase uma certeza da improbabilidade da tal multiplicação.

Depois um dia, mais precisamente, no dia 2 de Agosto de 2004, a Clarinha chegou. E o universo uniu-se para me provar mais uma das magias da vida. O amor que senti pela Clara foi mais imediato do que qualquer outro amor. Foi em tudo diferente. Foi uma coisa que eu nunca tinha sentido na vida… um amor à primeira vista! Absoluto e avassalador. Parece que foi uma lição que a vida me quis dar… Tiveste dúvidas?! Ora aqui tens! – Aquele momento acabaria por definir a nossa relação até hoje. A vida não só limpou todas as minhas angustias e inseguranças em relação à minha segunda maternidade como me deu uma relação, que até hoje e passados 10 anos, tem sido de pura Felicidade!

Hoje, sei que se tivesse outro filho, o problema do amor não se colocaria. Mas tenho quase a certeza que seria um amor diferente! O amor de mãe, multiplica-se efetivamente, mas não da mesma maneira. Os filhos são diferentes, a química é diferente… e não há dois amores iguais!

Parabéns boneca linda do meu coração! Obrigada por seres uma peça tão decisiva e importante na felicidade da nossa família.

Hoje o meu beijinho muito especial vai para estes dois absolutos e incondicionais amores da minha vida. A Clara e o seu pai. O meu Príncipe que também faz anos hoje anos e que, há 10 anos,  a recebeu nos braços como o melhor presente de aniversário que algum dia sonhou ter! [AQUI] Parabéns!

MARIA

 

There’s nothing as cute as good old toothless smile!

Abril 28, 2014 in FAMILY BUSINESS

Clarinha in Formentera – 2011

Quando as crianças passam pela “difícil” fase de serem “desdentadas” é normal não largarem um sorriso rasgado para um fotografia. Muitas vezes porque fazem uma precoce auto-analise da sua imagem, outras vezes porque somos nós, as mães, que as mandamos fechar a boca na hora do flash para a foto ficar mais composta… No dia internacional do sorriso eu recordo este momento como uma pérola. Que bom que a Clarinha lançou este sorrido rasgado e que bom que eu estava lá para o captar naquele momento. A melhor coisa desta vida… um sorrido desdentado! Não há nada mais genuíno, infantil, ingénuo, querido… que um sorriso destes! É a mistura perfeita entre cómico e adorável! – Um feliz dia do sorriso para todos!

 

BEIJINHOS,

MARIA

In English

When children go through the “hard toothless times” they don’t usually smile for the cameras. Often because they make an early self-analysis of the way they look, other times because it’s we, the mothers, who make them close their mouth so the pictures will come out cuter … In the world smile day  I remember this moment as a gem. So glad that Clarinha launched this ripped smiled and also thankful that I was there to capture that moment. The best thing in life … a toothless smile! There is nothing more genuine, childlike, naive, dear … than a smile like this! It’s the perfect blend of humorous and adorable! – A happy world smile day to all!

XOXO,

MARIA

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: