MB Estoril Challenger 2016

Julho 12, 2016 in MY HAPPY SELF

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

Se me tivessem perguntado há uns anos (não é preciso recuar mais de 3) se algum dia misturaria uma festa de aniversário com um torneio de padel, eu talvez começasse por perguntar o que era padel e depois dava uma gargalhada daquelas que faz eco e acabava a conversa. Nunca na vida pratiquei desporto. Nunca competi em nada a não ser jogos de poker. Com raquetes?… nem ping-pong. Nada. Zero cultura desportiva, zero aptidão para desporto…

Quem me vai lendo há mais tempo sabe que entrei para o Padel arrastada por umas amigas e pela ilusão de poder usar kits giros e saias de pregas [AQUI] . Na primeira lição o professor deve ter-me achado um caso perdido… levou-me para um campo à parte e atou-me a mão ao punho da raquete com uma bandana tal era a trapalhada. Só ao fim de um ano de ter lições semanais participei num jogo amigável. Achava que tudo se resumiria, sempre e para sempre, a lições semanais. Quando finalmente me arrastaram para jogar, fugia da bola, não percebia os pontos, embrulhava-me na contagem e perdia tudo. Fogo, tenho mesmo umas amigas espetaculares porque, só com muito amor, se aguenta uma naba destas.

Hoje acho que o Padel é uma das partes mesmo giras dos meus dias. Jogo com alguma regularidade, às vezes já acerto na bola e divirto-me à séria. Pelo meio digo imensos palavrões… nada pessoal. Nunca me irrito com ninguém a não ser com a p… da bola. Também me irrito comigo, às vezes, naqueles dias em que devia ter ficado em casa em frente à televisão a ver as Kardashians porque o nível de reflexos só dá mesmo para trocar de canal e pouco mais.

Bom isto para vos contar que este ano uma amiga, que por acaso até joga padel nas horas, tem as mesmas inicias que eu (Maria Barreto) e partilha comigo a honra de fazer anos no mesmo dia… o dia que viu nascer a saudosa Princesa Diana e o Grande Sporting Club de Portugal (entre outras personalidades estrelares), me desafiou para organizarmos um torneio de Padel para os nossos anos!

Pronto e foi isso… tivemos pouco mais de uma semana para preparar o que acabou por ser, sem dúvida, #OMelhorTorneioDePadelDoMundo.

Estoril Challenger

O evento aconteceu com grande animação e plantel lotado ( 40 espetaculares padelerias)  no Clube de Tenis do Estoril. O vento de 100 nós, da noite anterior, parou para a nossa festa. Portugal ganhou à Polônia ficando apurado para os Quartos de Final. Eu e a minha parceira, Maria Barreto, ganhámos os dois jogos, não fosse ela aquele torpedo em campo. Tive lá quase todas as minhas amigas do coração porque até de dedo do pé partido tive presenças. Não falhou nada!

MB Estoril Challenger

Jantámos o Melhor Sushi do Mundo… O sushi da Confraria. Isto de ter amigas donas de restaurantes e que alinham nas nossas ideias não tem preço! Obrigada Vi, sem o teu delicioso Sushi (o único que eu como, na verdade)  a festa não tinha tido metade da pinta!

 [ CONFRARIA ]

Confraria

Alambasámo-nos pela noite fora com Gelados Artisani. Obrigada Artisani por nos ter mimado com tantos gelados maravilhosos, em especial com o meu sabor preferido… Pastel de Nata. Ninguém tem um gelado igual!!

 [ ARTISANI ]

Artisani

MB Estoril Challenger

Tivemos Bar Aberto de Gin com Schweppes de Hibiscus e DJ a bombar para dançar entre jogos e penalties! Melhor era impossível…

[www.schweppes.pt ]

MB Estoril Challenger

tonica-schweppes-hibiscus

O nosso bolo foi idealizado por mim e maravilhosamente interpretado e feito com amor pela minha querida Silvia Baião Ferreira da A Festa do Bolo, em quem confio sempre a tarefa de tornar os aniversários da nossa família mais especiais. Os bolos não só são lindos como sabem mesmo bem! Obrigada Silvia pelo talento e carinho que põe em cada bolo e em cada festa!

[www.afestadobolo.blogspot.pt ]

Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

O logo do Torneio foi feito a partir de uma ilustração do talentoso André Poeira. O Design Gráfico foi feito no nosso atelier e as impressões em grande escala e os rótulos das garrafas ficaram a cargo da empresa com quem trabalho há muitos anos, a Logotexto.

 [O Atelier do Poeira ]

 [LOGOTEXTO ]

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

O espaço em si não é particularmente bonito por isso para tornar a atmosfera mais charmosa tive a ajuda preciosa do meu amigo Martins Alves e do seu maravilhoso acervo para festas. Numa terça feira fui ao armazém dele em Mafra escolher as peças e na 5a feira as 10:00 com pontualidade britânica estavam lá os seus homens para descarregar mesas, sofás, poufs e algumas plantas que vestiram com todo o charme no nosso clube do Estoril.

[ MARTINS ALVES ]

DSC_6943

Obrigada à Mesh que ofereceu o presente para a melhor dupla da noite. As queridas Emilie e Nicole levaram para casa o diploma da melhor prestação do torneio e uns calções lindos da Mesh para cada uma. Para quem não conhece a Mesh é uma marca de roupa de desporto que começou por ser a primeira marca portuguêsa de roupa de padel!

[ MESH ]

E isto de ter amigas que publicam livros giros também tem o que se lhe diga!!! A nossa amiga Susana Roncon Chaves ofereceu às vencedoras o seu recente livro  – “Cão Educado Família Feliz” – A Susana para além de ser linda, jogar Padel e escrever livros, tem uma escola de treino de cães, a Busca!

[ BUSCA ]

MB Estoril Challenger

Obrigada também ao nosso querido Pedro Plantier (mais conhecido por Pitucas) e à sua escola de padel, a Playpadel, não só por nos ter cedido os seus 3 campos mas principalmente por nos ter organizado os quadros dos jogos, pelo apoio moral e por ainda se ter disponibilizado para oferecermos uma aula particular à dupla com menos pontos. Porque as ultimas são as primeiras e porque os talentos escondidos devem ser estimulados (eu que o diga!) as nossas mais queridas Marta e Sara, não saíram do torneio de mãos a abanar!

[ PLAYPADEL ]

MB Estoril Challenger

Obrigada às tantas amigas que se voluntariaram para levar crepes e espetadinhas de legumes e mini sandes e brigadeiros e tudo e tudo e tudo… Não faltou nada neste torneio!!

MB Estoril Challenger

Também não nos faltou uma fotografa maravilhosa que se tornou invisível e se infiltrou com a sua lente, em cada jogo, cada conversa, cada brinde de gin, cada gargalhada… esteve praticamente omnipresente em todos os momentos e foi registando com tanta pinta tantos momentos espontâneos tornando-os inesquecíveis. Obrigada Ieva!!! You Rock! Sorry I don’t have a picture with you to post… but your pictures speak on your behalf!

 [Ieva.Studio ]

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

MB Estoril Challenger

À Meia Noite apagámos as nossas velas, recebemos imensos presentes lindos e ainda tivemos a surpresa de ter conosco as nossas famílias. Enfim… umas mimadas!!!

Foi um dia muito querido, cheio de luz, amor e paz. Depois de um ano muito complicado Deus deu-me esta alegria de começar esta nova etapa de uma forma tão feliz e especial. Nunca me vou esquecer de nada, mas principalmente da amizade, das gargalhadas e do carinho de todos envolvidos. Senti-me muito abençoada! Obrigada à Maria, a minha #GémeaSeparadaÀNascença! A ideia foi tua, tiveste um trabalhão, gerir 40 mulheres foi “tipo caótico” mas fizeste-o quase com uma perna às costas enquanto eu me fui entretendo com as partes “queridas”. Para o ano, se nos tivermos esquecido das “dores do parto” voltamos ainda melhores! E Obrigada a todas, miúdas giras e bom astral, sem vocês isto não tinha tido gracinha nenhuma!

MB Estoril Challenger

[ A tropa, quase toda, reunida para a foto final ]

Para verem todas as fotografias do MB Estoril Challenger (mais de 200 fotografias) sigam para a página de Facebook da Ieva. [ AQUI ]

Espero que tenham gostado desta mega reportagem. Deu um trabalhão! ; )

 beijinhos

Somos Campeões!

Julho 11, 2016 in BRIGHT MINDS, RANDOM STUFF

Campões da Europa

Ainda antes de responder às perguntas dos jornalistas na sala de imprensa do Stade de France, após a conquista do título europeu, Fernando Santos tirou um papel do bolso com um pequeno texto que tinha escrito em Marcoussis, quatro semanas antes:

«Em primeiro lugar quero agradecer a Deus, Pai, por este momento e por tudo na minha vida. Uma palavra especial para o presidente, Fernando Gomes, pela confiança que sempre depositou em mim. Não esqueço que comecei com um castigo de oito jogos pendente. A todos na federação, que viveram estes meses comigo. Aos jogadores, dizer mais uma vez que tenho um enorme orgulho em ter sido treinador deles. Destes e daqueles que não puderam estar presentes. A vitória também é deles. O meu desejo agora é ir para casa, e dar um beijo do tamanho do mundo à minha mãe, mulher, filhos, neto, genro e nora, e ao meu pai que, junto de Deus, está seguramente a celebrar. E aos meus amigos, muitos deles meus irmãos. Muito obrigado pelo apoio e pela amizade. Por último, mas em primeiro, ir falar com o meu maior amigo e sua Mãe: dedicar-lhe esta conquista e agradecer por me ter convocado, e concedido o dom da sabedoria, perserverança e humildade, para guiar esta equipa. E ele por a ter iluminado, e porque tudo o que faço é para glória do seu nome

Ontem, dia 10 de Julho de 2016, Portugal ganhou uma final do Campeonato da Europa contra a equipa anfitriã, a França. Esta merda é história ou é história? E venham dizer-me que foi “igualzinho” ao que aconteceu à Grécia quando ganhou a Portugal em 2004… Não, peço desculpa mas foi muito, muito melhor. Ganhar a França em França não equivale a ganhar a Portugal em Portugal. Foi maior, mais insólito, mais avassalador e, pelos vistos, bastante mais controverso, caso contrario a linda Torre Eiffel ter-se-ia vestido de encarnado e verde no dia da nossa consagração como estava previsto. Ontem, França assumiu-se um pais humilhado e mau perdedor. Não tenho nada contra Franceses, nunca nenhum me tratou mal, pelo contrário. Nem vejo nunca futebol como uma guerra de países. É uma disputa de clubes! Por favor não percam o foco e não tornem isto no que não foi. Já li coisas como… “afinal não sou Charlie”… Não misturem Terrorismo com Bola, por favor.

Não façamos nós aos outros o que não gostámos que nos tivessem feito a nós.

Com toda a honestidade, a melhor lição que devemos tirar desta nossa prestação no Euro 2016, foi o exemplo de humildade que os nossos miúdos nos deram. Que grande diferença de atitude para campeonatos anteriores…. uma lição a reter! Nos depoimentos, no campo, no banco… Fomos uma equipa amiga, coesa e civilizada. Fomos corajosos, nunca baixámos os braços, nunca desistimos. Não batemos, não empurrámos, não fizemos jogo sujo, mesmo sendo provocadíssimos, como foi o caso deste ultimo jogo em que a equipa adversária se atirou para cima do nosso capitão com ganas de sangue! Uma vergonha. – Chorámos, mas não batemos. Não jogámos o mesmo jogo. Nunca perdemos a calma e a compostura. E no fim, fomos bafejados pela sorte, porque a sorte acompanha sempre quem tem as melhores intensões . É a velha história do Karma… Não falha.

Com humildade e assumindo que percebo pouco de bola e taticas desportivas, fiquei com a total convicção que esta nossa equipa ganhou ontem porque tinha um pilar muito forte chamado Fernando Santos. Acho que esta foi a principal diferença que nos distinguiu de prestações em anos e campeonatos anteriores. Este nosso selecionador elevou os padrões. Ontem quando ouvi o discurso que leu antes da conferencia de imprensa, percebi o alcance da sua Fé em Deus, da sua humildade, modéstia e simplicidade.

Hoje acho que ganhámos por um conjunto de circunstâncias que foram da excelência do nosso selecionador e jogadores, à sorte, aos acasos à energia de 11 milhões, às melhores intenções e a uma fé inquestionável.

E mal sabíamos nós que ontem, quando os jogadores de França lesionaram o nosso Capitão que “por acaso” se chama Cristiano Ronaldo e é o melhor jogador de futebol do mundo, nos estavam a abrir a janelinha para a vitória.

Já toda a gente falou na traça… Eu não vi uma traça. Eu vi uma borboleta, que insolitamente pousou no nosso craque na triste hora em que ele é confrontado com a lesão e a impossibilidade de continuar em campo na tão almejada final. Aquela borboleta foi um sinal de Deus. Aquele Deus que nos aparece nas pequenas coisas. E eu disse para quem estava comigo… “O Ronaldo vai sair, mas nós vamos ganhar”. Vi naquela borboleta um sinal de proteção. E a verdade é que o nosso capitão conseguiu fazer mais fora das quatro linhas do que dentro sempre com 6 homens à sua volta prontos para o ceifar. Ontem ficou provado que a luz que aquele jogador tem vai para além das suas pernas e dos seus reflexos. A sua fé também mandou aquela equipa para a frente. A sua garra, as suas orações e a sua força interior. Ontem percebemos que no dia em que deixar de jogar à bola profissionalmente será certamente um grande treinador. Quem sabe, tão bom como aquele que nos levou ontem à vitória. Ontem tivemos muitos “Homens do Jogo”… Desde o Rui Patrício, que não deixou entrar uma bola naquela baliza, ao Edér que marcou aquele golaço, ao Pepe que ganhou a distinção com mérito, ao Cristiano que fez mais fora das quatro linhas do que se imaginaria…. A lista continua… fomos uma equipa de “Homens do Jogo” mas o nosso selecionador Fernando Santos e a sua postura foi a grande estrela deste evento. É dele que devemos tirar a maior lição de todas… A lição da Fé.

E quando a festa acabar e as vuzuzelas se calarem, não se esqueçam do mais importante… Ganhámos porque acreditámos. Foi uma força maior que nos levou mais longe!

BEIJINHOS, MARIA

Maria Jardineira e Cozinheira

Junho 3, 2016 in LET'S EAT!, MY HAPPY SELF

DSC_6138

Ainda sobre o meu Alpendre e os meus novos hábitos de cozinha… não podia deixar de partilhar convosco este muito recente elemento na minha vida… um canteiro de ervas aromáticas. Na verdade são dois canteiros que coloquei ao lado do espelho do alpendre de forma simétrica, não fosse eu ter esta ligeira obsessão por concordâncias … em que posso colocar 12 espécies de ervas aromáticas, sendo que na verdade, e dada a minha ainda pouca experiência nas lides da culinária, acabei por repetir as ervas que mais utilizo que são Hortelã (não só para Mojitos, mas também ), Manjericão (a minha erva aromática preferida de longe), Salsa e Coentros (Não fosse esta uma casa Portuguesa, com certeza). Depois ainda me sobrou espaço para Cebolinho, Oregãos e Alecrim. Ando feliz e achar-me a melhor dona de casa do mundo… De um momento para o outro e ao fim de muitos anos sem praticamente cozinhar, passo não só a faze-lo como tenho um jardim de Ervas Aromáticas à altura das minhas mais rebuscadas ambições Gourmets! Que maravilha!

Ervas Aromáticas

Ervas Aromaticas

Não se enganem… as etiquetas autocolantes não são só para a pinta… eu realmente não sei distinguir Salsa de Coentros. O Rui já me tentou fazer decorar de milhares de formas, pelo cheiro pela forma das folhas, pelo sabor… que raio!! Sou dislexia e esta condição tem destas coisas… Não vou tentar mais! Com etiquetas fica o assunto resolvido. São simples auto-colantes daqueles que usamos para os livros da escola… básico. Cola, descola. Muda a erva muda o nome, tá feito!

Os vasos e suportes foram importados da IKEA… As mais atentas viram-nos no post que fiz há uns dias sobre o meu Alpendre. As que não viram podem sempre ir espreitar [AQUI].

Quem quiser ir direto para o Catalogo da IKEA siga este link [AQUI].

beijinhos

 

P.S. Lembrem-se de uma coisa… Se eu consegui começar a cozinhar aos 44 anos com algum sucesso, qualquer uma de vocês, menos expeditas nas lides da cozinha, o consegue fazer. É mais fácil do que parece e muito mais divertido e recompensador do que vos possa passar pela cabeça!

My IKEA Wish List

Maio 27, 2016 in DESIGN INSPIRATION

IKEA

Fica sempre qualquer coisa por comprar, não é verdade!? Debaixo de olho ficaram ainda algumas peças que potencialmente me podem vir a dar muito jeito… como por exemplo:

  1. Almofada Riscas Indigo – Sommar 2016 – AQUI
  2. Guardanapos de papel com print Ikat azul claro – Sommar 2016 – AQUI
  3. Lanterna suspensa de papel em Tie Dye – Solviden – AQUI
  4. Travessa de servir à mesa – Giltig – AQUI
  5. Limoeiro – Citrus – AQUI
  6. Grelhador a carvão – Klasen – AQUI

Agora era mesmo só preciso o Universo unir-se numa conspiração de simpatia por este povo costeiro que anseia por dias de sol e calor! Ok?! A malta agradece!

beijinhos

Welcome Spring!!

Maio 19, 2016 in MY DESIGNS, MY WORLD OF INTERIORS

_DSC7589

Como tinha ficado prometido, aqui estou eu para vos mostrar o meu Alpendre em versão Summer 2016.

Quem me vai seguindo e lendo, sabe que de todos os espaços da minha casa, acho que este acaba por ser aquele em que passo mais tempo durante os meses quentes, por isso sempre fiz questão de me rodear de peças que gosto e de todas as comodidades necessárias para que todos estejamos confortáveis e felizes no nosso jardim.

Adoro almoçar no alpendre e adoraria também jantar muito mais vezes não fossem as noites de Cascais serem, quase sempre, frias. Mas naquelas raras noites de calor, não tenham uma duvida… é lá que me vão encontrar.

Num mesmo espaço, consegui encaixar uma zona de estar, de refeições, uma area de apoio, e ainda uma zona de espreguiçadeiras para podermos apanhar ao sol.

DSC_6515

DSC_6522

ALGUMAS DICAS SOBRE ESTE ESPAÇO EXTERIOR

  1. A Consola, o Espelho e até o Sofá são peças que inicialmente estiveram no interior de casa e depois acabaram aqui. Pintados com tinta resistente a exterior, ganharam uma nova vida e têm resistido perfeitamente às agruras do tempo.
  2. As novas cadeiras são todas laváveis e empilháveis. Não podia ser mais prático!
  3. Tenho um cabide para pendurar as toalhas que usamos na piscina e prefiro sempre ter Fautas porque secam com mais rapidez. De qualquer forma guardo sempre algumas toalhas turcas brancas de reserva para quem chegue desprevenido.
  4. Os colchões das esperguiçadeiras são forrados com capas de tecido turco branco para máximo conforto
  5. Tenho também sempre matinhas de reserva para as tardes e noites mais frias. (Na fotografia podem vê-las nas espreguiçadeiras. Adorei estas de riscas da IKEA)
  6. Acho importante ter um ponto de luz elétrica mas a luz que mais gosto no jardim é a luz das velas. Tanto nas mesas de apoio como na mesa de refeições.
  7. Adoro os meus canteiros, que eu própria plantei no verão passado com a preciosa ajuda do meu querido marido. Durante muitos anos deleguei essa tarefa a empresas de jardinagem e por qualquer motivo as plantas acabavam todas por morrer porque eu nunca lhes dedicava a atenção devida. Como eu não me envolvia emocionalmente a coisa não fluía. No verão passado, um dia fomos à IKEA e viemos carregados de plantas. Passámos uma tarde a mudar a terra aos vasos e a plantar cada planta com a atenção que merecia. Penso que por isso ainda vivem felizes nos quatro canteiros que separam o nosso alpendre do jardim.
  8. A  mesa de refeições pode ser a grande protagonista de um espaço exterior. As melhores memórias, as melhores conversas e as gargalhadas da vida… estão quase sempre associadas a uma bela refeição. À família reunida à volta de uma mesa. A amigos que se juntam para beber uma sangria ou simplesmente para celebrar a vida. Adoro ir decorando a minha mesa de formas diferentes e confesso que acaba por ser aqui que, mudando o serviço, os acessórios e os centros de mesa, de uma maneira simples, menos dispendiosa e fácil conseguimos lavar a cara de espaço, dar-lhe uma nova identidade. Uma mesa, muda totalmente o vibe da decoração e isso agrada-me!

DSC_6552

_DSC7828

_DSC7618

_DSC7580

_DSC7802

 

Alpendre

_DSC7793

_DSC7796

_DSC7610

DSC_5847

_DSC7810

_DSC7812

_DSC7811

Alpendre MB Home

Como se devem lembrar, a ideia para este post começou com uma ida minha à Ikea que inicialmente era apenas para comprar plantas e renovar os canteiros mas que acabou, por força das várias tentações, numa bagageira atulhada com um monte de peças lindas e que ajudaram neste resultado final. Porque é nos detalhes que está a magia, quase sempre, deixo-vos com a minha Lista de Favoritos. Espero que seja uma inspiração para fazerem com as vossas varandas, jardins e alpendres o que eu fiz com o meu… Uma preparação intensiva para a Primavera.

As Minhas Escolhas IKEA

 

1. Tecido a metro IKAT – Sommar 2016

2. Copos de papel Sommar 2016

3. Prato Marcador Riscas pretas e brancas Tickar / Prato Raso turquesa Fragrik / Tigela Sommar

4. Jarro de vidro com tampa IKEA 365

5. Guardanapos de papel Sommar 2016

6. Musa Banana

7. Tabuleiro Sommar 2016

8. Vaso com suporte Socker

9. Faqueiro Skuren

10. Garrafa de Mesa com tampa IKEA 365

Se quiserem ver toda a Coleção de Verão sigam o link [AQUI]

Espero que este post vos tenha inspirado e deixado com vontade de tardes de sol, jantares al’fresco, horas de leitura numa sombra escondida, conversas com cerejas ou cerejas com conversas, olhar as estrelas abraçadinhos a quem mais gostam … seja o que for que vos der mais prazer, abram as portas e deixem este ar entrar… a Primavera chegou!!

beijinhos

Volta Primavera, tás perdoada!

Maio 17, 2016 in MY DESIGNS, MY WORLD OF INTERIORS

Alpendre Maria Barros Home

[Mesa de Exterior “vestida” para a Primavera pela IKEA  – AQUI ]

Uma vez lí em qualquer lado que se nós queremos muito uma coisa na vida, temos de criar espaço para ela. Para ilustrar a sua ideia com uma imagem facilmente assimilável, o autor dava o exemplo de um amigo seu que vivia a dizer que queria ter um Porsch mas tinha uma garagem atulhada onde cabia, com alguma dificuldade, apenas e só, a mota que usava para se deslocar. Então o autor explicava que muito provavelmente o Porsch nunca chegaria a uma casa que não tinha espaço para o receber. O amigo depois de devidamente instruído pelas formulas mágicas da Lei da Atração, limpou a garagem, fez espaço para o Porsch e no ano seguinte lá se deu o milagre da aparição automobilística.

Isto para vos explicar que, no fim-de-semana passado foi então isso que eu decidi fazer no meu Alpendre. Fiz espaço para o milagre acontecer. Chamei a Primavera com todas as minhas forças! E, de uma estranha forma, parece que isto se está, finalmente, a compor. Será que resultou?!

Comecei por dar uma grande limpeza para tirar as teias do inverno, substituí algumas plantas que não resistiram às agruras do frio e trouxe alguns novos elementos para a decoração existente para lhe dar um toque Summer 2016! ; )

(Eu sei que estou aqui um bocadinho em falta com vocês em relação ao up-date nas remodelações que fui fazendo em casa ao longo do ultimo ano. E sim, o alpendre também sofreu alguns ajustes no verão passado, tal como a sala e hall. Como nunca tinha chegado a partilhar fotos, esta minha chamada da Primavera, até acabou por ser uma boa desculpa para registar o momento).

Por isso amigas, esperem duas coisas esta semana… 1 – Um post mais decente e completo sobre o meu alpendre primaveril . 2- Pelos dias de sol e calor que todas merecemos!

E vocês? Já fizeram espaço nas vossas casas, alpendres, varandas e jardins para a PRIMAVERA? – Se não, digam-me…. Estão à espera de quê?! – Tudo de vassoura na mão a limpar os restos mortais do inverno se faz favor!

beijinhos

 

 

Uma História sobre o Dia da Mãe

Maio 3, 2016 in FAMILY BUSINESS, MY HAPPY SELF

Dia da Mãe 2016

No ano passado, o dia da mãe passou-me ao largo da costa. Percebi que aconteceu, mas não chegou aqui à minha praia… se me entendem…

Acordei e não tive um pequeno almoço, nem um presente, nem um cartão… nada. O meu querido pai lembrou-se de me de enviar uma mensagem pela manhã… como faz sempre. Mas, amigas, vocês sabem do que vos falo… uma mensagem do nosso “querido pai”, só por si, não nos puxa a carroça até à meta…. Não é fácil passar o dia a ser bombardeada com fotografias de mães felizes com ramos de flores, panquecas à la carte e dedicatórias de fazer chorar as pedras da calçada… e nós… nada.

Acontece que eu sou otimista por natureza e acredito sempre que o universo se reúne em conspirações permanentes e acho que no fim os desfechos são sempre os esperados. Lembro-me que depois do primeiro embate da “aparente ignorância” relativa ao calendário, as horas iam passando e eu apenas ia pensando… “estes malandros andam a preparar uma boa!”. Mas o sol subiu, percorreu o céu, pôs-se e não se passou nada…. quando chegou a hora de jantar a indiferença persistia … lá percebi que tinha chegado à meta, mas não havia foguetes. Tinha acabado a minha jornada de espera. Era mesmo só aquilo… sem artifícios nem surpresas dissimuladas… O Rui não estava em Portugal e as duas crianças (um com 13 e a outra com 10) sem serem orquestrados não chegaram às minhas caladas e esperançosas expectativas. Fiquei muito triste. Não que ache que sou menos amada por não ter tido direito a banda e purpurinas. Eu sei que o amor existe, mas uma mãe gosta que chegue aquele Um dia por ano, e haja festa e foguetes. After all… ser Mãe é o nosso principal projeto, aquele em que mais nos empenhamos e de que mais orgulho tempos. O reconhecimento, a festa, a dedicação…. fazem falta e deviam fazer parte da legislação. São o reconhecimento e a “medalha” (mais que) merecida por um ano de dedicação abnegada, de horas sem dormir, de mil boleias, de tantas lições de vida, de alguns sermões, de exemplos conseguidos, de colo, de mimos, de festas, de idas ao médico, de estudo acompanhado… de tudo.

Pronto amigas, mas esta não é uma história triste. Foi só a introdução para o que vem a seguir. O meu dia da mãe, este ano, aquele que aconteceu no domingo… foi o melhor de sempre!

Este ano, eu poderia ter feito duas coisas…

Hipótese 1 – Ficar quietinha no meu canto e esperar pelo melhor. Afinal, nada tinha ficado por dizer. Há um ano atrás os meus filhos não ficaram com uma dúvida de como eu tinha ficado triste. Lá nisso sou boa. Não fico calada nem mando recados…

Hipótese 2 – Planeava a festa, comprava os foguetes, armava o fogo e apanhava as canas.

Escolhi a segunda. Acho que me calhou bem!

Com uma semana de antecedência comecei a gritar aos sete ventos que o dia da mãe estava achegar. Organizei um almoço com todas as mulheres da família… mãe, irmã, avó, sogra… Fui à praça, carreguei a casa de flores. Muitas velas, muita luz, muita alegria. O caril veio de encomenda e as sobremesas também, por isso ainda tive tempo para ir jogar Padel nessa manhã. Fiz uma sangria maravilhosa e brindámos todas com alegria. Tantas mães. Brindámos também a todas as mães ausentes incluindo as nossas avós. Com um brinde especial à avó materna que é uma figura muito proeminente nas nossas conversas e no nosso imaginário. Não tenho uma única fotografia com essa minha avó. Privei tão pouco com ela… Morreu quando eu tinha 9 anos. E mesmo assim, continua a ser (a seguir à minha mãe como é óbvio) umas das mais importantes figuras femininas da minha vida.

A Bu fez-me um cartão lindo como só ela sabe fazer… carregado de palavras que me enternecem o coração. E o meu Salva, ineditamente, saiu de casa de bicicleta e foi sozinho ( e com o seu dinheiro) comprar-me uma flor. Mas mesmo que não tivesse tido direito a presente teria sido um dia feliz na mesma.

Porquê? – Porque eu preparei o meu dia feliz… Não esperei que ninguém o fizesse por mim. Sermos mimadas é bom, mas sabermos mimar-nos é talvez ainda melhor. É bom que nos deem valor, mas se nós não dermos valor a tudo o que fazemos, sabendo que o fazemos com o máximo amor e dedicação, então está tudo errado.

Por isso, se houver por ai mães que tenham tido um dia da mãe com menos atenção e carinho… já sabem… Não fiquem tristes. Comecem já a preparar a festa do próximo ano!

beijinhos

IMG_4569

[A minha Flor oferecida pelo Salvador ]

Dying to be me!

Abril 21, 2016 in BOOKS & SONGS, BRIGHT MINDS

Anita Moorjani

A autora deste Best-seller, Anita Moorjani, morreu e renasceu para uma nova vida e vive hoje de uma forma completamente diferente do que fez até o seu corpo ter sucumbindo a um cancro terminal. Apesar de não ter ainda lido o livro, vi na semana passada a TedTalk em que Anita nos conta, muito resumidamente, a sua viajem por uma dimensão paralela numa altura em que, devido a um linfoma em estagio avansadissimo, entrou num coma de onde acabaria por voltar com uma atitude completamente diferente perante a vida, o seu corpo e as suas relações .

Não vos vou contar a história porque tem mais impacto ser ouvida pela própria (o video está legendado) por isso a única coisa que queria deixar aqui resumido, são os cinco conselhos que esta sobrevivente de uma aparente experiência com a morte nos conta:

1 – Ama!

Amar e sermos amados é a chave para uma vida feliz. Sabermos deixar-nos amar é tão importante como amar alguém. E mais importante, amarmo-nos a nós próprios. Uma pessoa que tem uma boa auto-estima, muito dificilmente será agressiva ou controladora. Simultaneamente não permitirá que sejam agressivos ou controladores consigo, vivendo uma vida de paz e harmonia. Amor significa respeito, em todos os sentidos. Incluindo respeito pelo nosso corpo.

2 – Viver destemidamente!

Viver sem medo de tudo. Segundo Anita vivemos numa sociedade onde prolifera a cultura do medo. Não comemos isto ou aquilo, não porque respeitamos o nosso corpo mas porque temos medo de vir a ter esta ou aquela doença como conseguencia. Ensinamos o medo aos nossos filhos. Medo da doença, medo da decepção, medo do ridículo…. as nossas escolhas devem ser feitas com base em condicionantes de amor e não medo. “Gosto do meu corpo por isso não fumo”. E não, “tenho de deixar de fumar porque tenho medo de ter cancro dos pulmões”.

3 – Ri-te mais!

Rir e fazer rir. Rir-mo-nos de nós próprios e com os que amamos. Nunca deixar que as curvas da vida nos tirem essa maravilhosa capacidade. Ou nunca nos deixar-mos chegar ao ridículo de nos acharmos acima de uma gargalhada despretensiosa. Rir é o melhor remédio por isso devemos cultivar o humor, o riso e a boa disposição na nossa vida. Se estão rodeados de pessoas que vos fazem rir, cuidem delas, reguem essas amizades com amor. São preciosas fontes de boa energia.

4 – A tua vida é um presente!

Devemos ter sempre consciencia que esta vida nos foi oferecida como um presente preciosos do qual devemos cuidar. Ter noção que devemos tirar o máximo partido de cada dia e sermos eternamente agradecidos por cá estarmos.

5 – Sê tu próprio!

Anita até diz qualquer coisa como… “Sê o mais TU que conseguires”. Quantas vezes já ouvimos coisas parecidas e mesmo assim, grande parte de nós continua a viver as suas vidas espelhado noutras vidas e noutras personagens que nada têm a ver com a sua realidade?!  Párem e sejam vocês, abracem as vossas singularidades, amem-se e aceitem-se. Espalhem a vossa luz que é única e singular. Deixem a VOSSA marca no mundo, na vida e naqueles que vos rodeiam.

E agora que já vos deixei curiosos, vejam o video. São 18 minutos de pura inspiração! – Para os mais sensíveis os primeiros 5 minutos são mais difíceis mas não parem, a mensagem importante vem depois. Anita começa por explicar a doença para depois ter mais impacto todo o desenrolar da história e o milagre da cura. Prometam-me que vêm e depois partilhem. Este video pode vir a mudar algumas vidas e a forma como muitos de nós vemos o mistério da existência.

 

Depois, se quiserem ter uma experiência mais completa, podem sempre comprar o livro, já traduzido para Português pela Porto Editora.

Nascer de Novo

Podem ler o Prefácio e a Introdução deste best-seller [AQUI]

Obrigada querida Joana Moinho por me ter contado esta história, por ter partilhado comigo mais um bocadinho da sua luz. Espero, com este post, chegar a alguém como a Joana chega tantas vezes ao meu coração.

beijinhos

Ninguém me paga para escrever isto #4

Abril 11, 2016 in RANDOM STUFF

IMG_1911

IMG_1909

Já me conhecem, pelo menos, o suficiente para saber que uso ainda agenda e bloco de notas e não cedo às modernices dessas coisas que vêm como “bónus” nos telemóveis e que supostamente “servem para a mesma coisa e ainda são mais eficazes”. Sim eu sei, pagas um balúrdio por um telemóvel exatamente porque vem carregado de “brindes”… máquina fotográfica (que é quase o único que me importa verdadeiramente) mais Agenda, mais Bloco de notas… mais tanta coisa que por vezes o facto de que faz e recebe, efetivamente, chamadas é quase um pormenor. Apesar de adorar o meu Iphone e as inúmeras aplicações com que o vou kitando (quase exausto coitado…) ainda gosto de olhar para a minha carteira e ver dois caderninhos coloridos com capa de pele e gravados a dourado com o meu monograma lá dentro. O que querem? Coisas de miúda old fashioned e (ligeiramente) betinha…

Durante alguns anos encomendava a minha agenda no site da Smythson, até que uma leitora me apresentou a Sloane Stationery. Tem agendas e blocos de notas igualmente pintosos, por uma fração do preço. E digam o que disserem, mas mesmo nós (as miúdas old fashion e betinhas) do que gostamos mesmo é de um bom negocio!

Este ano, como em anos anteriores, a minha agenda chegou no início do Janeiro, numa cor que me alegra e com as minhas iniciais gravadas, como eu gosto!

Os blocos de notas são todos queridos demais e são o presente perfeito, para aquelas ocasiões em que ficamos assim meios sem saber o que oferecer, não só nos aniversários, mas também nos dias das mães e dos pais, dos irmãos, dos sogros e dos periquitos (que agora ele há dias de tudo…). Deixo aqui alguns dos meus preferidos… mas há muitos mais. Espreitem o site e digam-me se também ficaram rendidas! 
Sloane Stationery

www.sloanestationery.com ]

Espero que tenham gostado da partilha! –  Desejo-vos uma ótima segunda feira!

beijinhos

O nome de Deus é Misericórdia

Abril 5, 2016 in BOOKS & SONGS

Outra coisa de que me vou sempre lembrar destas férias, e que não podia deixar de partilhar convosco, foi do livro que me acompanhou nos fins de tarde na montanha. Já o tinha comprado há um tempo mas queria lê-lo com calma por isso guardei-o para esta semana. [ Como se guarda um vestido especial para a ocasião certa.] É um livro, como podem imaginar, encantador. No fundo é uma conversa entre o jornalista e vaticanista Andrea Tornielli e o Papa Francisco sobre este tema tão atual [no sentido de ter sido escolhido pelo Papa como tema fulcral do seu pontificado] que é a Misericórdia de Deus.

Quando assistiu à primeira missa celebrada pelo Papa e percebeu que a centralidade do seu pontificado se focaria na mensagem da Misericórdia, logo ali pensou como seria interessante planear uma entrevista para explorar o tema, para que o Papa pudesse passar a sua mensagem de uma forma simples e universal. Assim foi. Este livro nasceu de uma conversa que os dois tiveram em Agosto de 2015 e foi lançado no inicio deste ano em 82 países. O titulo do livro apresentado na capa foi manuscrito pelo próprio Papa em todas as diferentes línguas em que foi traduzido.

É um livro que nos informa e nos emociona. Que explica e que inspira. Que chega ao nosso coração e nos faz parar e pensar. É um livro para aqueles que procuram a paz e um sentido para a vida.

Penso que não seja um livro para ser lido apenas por católicos. Apesar de explicar a importância de Deus e a sua relação com a misericórdia, ou mais precisamente, os efeitos que a misericórdia divina tem em nós, as palavras do Papa e a sua visão sobre o perdão e a misericórdia são e devem ser adaptáveis às nossas vidas, ao quotidiano e à forma como todos vivemos (ou devíamos viver).

Muito simplificadamente, é um livro que nos ensina, não só, como é relevante saber perdoar mas como também é importante saber pedir perdão. No fundo, termos a humildade de nos reconhecermos como pecadores [confesso que durante muito tempo esta foi uma palavra que evitei mas que ao ler este livro parece que me entendi com ela e com toda a sua possível carga]. Para isso o Papa recorda aos supostos “cristãos imaculados e justos”…. “Até o Papa é um homem que precisa da misericórdia de Deus”.

Uma lição de amor, justiça e humildade. – Lê-se de uma penada. Não deixem de o fazer!

beijinhos

P.S. – O Papa Francisco proclamou o ano de 2016 como Ano Santo da Misericordia. Leiam mais [AQUI]

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: